QUINTA GRAMATICAL: Metonímia


Nessa Quinta Gramatical vamos conhecer a última figura de linguagem: a metonímia.


Essa figura caracteriza-se pela substituição de um termo por outro com o qual tem uma relação de proximidade, o que permite a troca. É comumente utilizada para dar ênfase em uma mensagem e como recurso estilístico.


Veja exemplos comuns:


1- Autor pela obra: "Eu li Machado de Assis"

O correto seria dizer que eu li um livro cujo autor é Machado de Assis, porém essa informação fica subentendida ao decidir dar enfoque ao escritor famoso.


2- Inventor pelo invento: "Comprei um Ford"

O mesmo acontece aqui; ao escolher expor a marca do veículo (que leva o nome de seu fundador), o falante deixa implícito que o objeto comprado foi um carro.


3- Parte pelo todo: "Meu avô tem cem cabeças de gado"

Ao dizer "cabeças" o falante quer se referir ao animal inteiro.


4- Concreto pelo abstrato: "Ela tem uma boa cabeça"

A palavra cabeça nesse contexto pode significar tanto inteligência quanto maturidade, entretanto, em ambos os casos, "cabeça" é a imagem concreta de ser inteligente ou maduro(a).


5- Marca pelo produto: "Fui no supermercado para comprar Bombril"

No Brasil é costume substituir o nome de um produto pelo nome de sua marca mais consumida, como é o caso de Bombril - uma marca de palha de aço - e Cotonete - de hastes flexíveis com ponta de algodão.


6- Gênero pela espécie: "Os mortais são muito infelizes"

"Mortais" substitui "homens".


Existem diversos tipos de metonímia, portanto o importante é prestar atenção na relação da palavra escolhida com a subentendida.


Caso você use essa figura em suas produções literárias, confira o serviço de preparação da Odisseia, para aperfeiçoar seu texto e capacitá-lo à publicação!


Essa Quinta fica por aqui, até a próxima!

Odisseia - consultoria literária e linguística

Rua Sérgio Buarque de Holanda, 571 Campinas, SP