Odisseia - consultoria literária e linguística

Rua Sérgio Buarque de Holanda, 571 Campinas, SP

(19) 996 356 627

QUINTA GRAMATICAL: Sinestesia



Bem vindos(as) de volta para mais uma Quinta Gramatical! Hoje nós vamos relembrar uma figura de linguagem das palavras (ou tropos), a sinestesia!


A sinestesia configura-se em um recurso semântico utilizado para tornar o texto ou a mensagem mais expressivos. Consiste na mistura dos cinco sentidos humanos: olfato, audição, visão, tato e paladar; estabelecendo uma relação análoga entre dois ou mais planos sensoriais.


Como visto nos seguintes trechos literários:

E um doce vento, que se erguera, punha nas folhas alagadas e lustrosas um frêmito alegre e doce.” (Eça De Queiros)
Por uma única janela envidraçada, (…) entravam claridades cinzentas e surdas, sem sombras.” (Clarice Lispector)
Insônia roxa. A luz a virgular-se em medo. / O aroma endoideceu, upou-se em cor, quebrou / Gritam-me sons de cor e de perfumes.” (Mário de Sá-Carneiro)
O céu ia envolvendo-a até comunicar-lhe a sensação do azul, acariciando-a como um esposo, deixando-lhe o odor e a delícia da tarde.” (Gabriel Miró)
“Que tristeza de odor a jasmim!” (Juan Ramón Jiménez)

Curiosidade: existe uma doença chamada sinestesia - um fenômeno neurológico que consiste na produção de duas sensações de natureza diferente por um único estímulo.

"É um termo que caracteriza a experiência sensorial de certos indivíduos nos quais sensações correspondentes a um certo sentido são associadas a outro sentido." (www.significados.com.br/sinestesia/, 09/07/2013)


Essa Quinta acabou, mas tem mais semana que vem, até lá!