QUINTAS GRAMATICAIS: Assonância

Atualizado: 30 de Mar de 2019


Você deve lembrar, lá das aulas de português da escola, da figura de linguagem chamada “assonância”, que consiste na repetição de sons vocálicos.

Essa figura de linguagem é muito encontrada em poemas, uma vez que promove a regularidade vocálica ao longo de um ou mais versos, além de poder construir rimas. As rimas causadas pela combinação de sons vocálicos semelhantes é chamada de rima toante.


Confira alguns exemplos de assonância nos trechos a seguir:


(1)

“E bamboleando em ronda

daam bandos tontos e bambos

de pirilampos.”

(Guilherme de Almeida)


(2)

“Já nem penso mais em ti… Mas será que nunca deixo De lembrar que te esqueci?”

(Mário Quintana)


(3)

"Há uma rosa caída Morta Há uma rosa caída Bela Há uma rosa caída Rosa"

(Maria Ângela Alvim)


Repare como, em (1) e (3), a regularidade sonora vai muito além da letra. A assonância é uma figura de linguagem relacionada a som. Em (1), o som que se repete é o do “a” nasalizado, foneticamente representado por /ã/, enquanto em (3) o som repetido é o do “o” aberto, ou /ɔ/. Já Mário Quintana cria uma rima toante ao combinar “ti” com “esqueci”, que só compartilham a última vogal tônica “i”.


E você? Já pensou em utilizar a assonância para tornar seus textos ainda mais marcantes e chamar a atenção de seus leitores? Não?! Então mão à obra.

Não esqueça de seguir a Odisseia no Facebook e Instagram para não perder nenhuma dica de gramática!

Odisseia - consultoria literária e linguística

Rua Sérgio Buarque de Holanda, 571 Campinas, SP

(19) 996 356 627