QUINTAS GRAMATICAIS: Posição do adjunto adverbial


E olha a Odisseia chegando com mais uma Quinta Gramatical, porque com a gente, dúvidas de gramática não têm vez! Tem um pézinho atrás na hora de posicionar os adjuntos adverbiais nas frases? Então se liga nas dicas que preparamos.


Os adjuntos adverbiais são termos ligados a verbos, adjetivos ou advérbio e que fornecem circunstâncias da oração, como tempo, lugar ou modo, por exemplo. Os adjuntos adverbiais são representados por advérbios, conjunções ou locuções adverbiais. De modo geral, esses termos aparecem após o complemento do verbo da oração e, quando deslocados, devem estar entre vírgulas. Veja os exemplos a seguir:


1) “Ela adormecia enquanto eu esperava pacientemente” (Vladimir Nabokov);

2) Ela adormecia enquanto eu, pacientemente, esperava;

3) Pacientemente, esperava enquanto ela adormecia;

4) Comi muito pela manhã;

5) Pela manhã, comi muito.


Perceba que o deslocamento do adjunto adverbial fornece à oração uma ênfase na circunstância que o adjunto adverbial indica.

Apesar da flexibilidade da colocação da maioria dos adjuntos adverbiais, existem casos em que sua posição é bem restrita: Advérbios de negação

Em casos em que fornece circunstância de negação à oração, o adjunto adverbial deve sempre anteceder o verbo. Veja os exemplos a seguir:


1) Não pise na grama;

2) De modo algum converse com estranhos;

3) “Nem vi a cara mas adivinhei que era ela” (Lygia Fagundes Telles).


Acompanhando adjetivo, advérbio ou particípio

Nos casos em que o adjunto adverbial está ligado a um adjetivo, advérbio ou particípio, deve sempre antecedê-los. Veja os exemplos:


1) Achei o filme pouco interessante;

2) O garoto acordou muito cedo;

3) A rua era bem iluminada.


Viu só que nem era tão difícil assim?

Não esqueça de seguir a Odisseia nas redes sociais para não perder nenhuma novidade!

Odisseia - consultoria literária e linguística

Rua Sérgio Buarque de Holanda, 571 Campinas, SP