"Teoria do Medalhão", um conto de Machado de Assis

Atualizado: Mar 26

Machado de Assis (1839-1908) é amplamente considerado o maior escritor da literatura brasileira. Com uma vasta produção em praticamente todos os gêneros literários, o autor é reconhecido - entre outros fatores - por sua percepção aguda das relações sociais de sua época, abordando-as em diversas obras com ironia, sagacidade e refinamento literário.

No conto de hoje, o autor aborda uma figura do panorama social brasileiro - que pode ser vista até nos dias de hoje - a que ele denomina "medalhão". Partindo de uma conversa íntima entre pai e filho - na virada, do filho, de vinte e um para vinte e dois anos de idade -, o autor aborda, pela boca do pai, diversos aspectos que compõem a figura do "medalhão". O progenitor transmite esse "manual de instruções" pois, como ele mesmo diz, "assim como é de boa economia guardar um pão para a velhice, assim também é de boa prática social acautelar um ofício para a hipótese de que os outros falhem, ou não indenizem suficientemente o esforço da nossa ambição".

Para ser medalhão, deve-se não ter, de modo algum, uma ideia própria. "Tu, meu filho, se me não engano, pareces dotado da perfeita inópia mental, conveniente ao uso deste nobre ofício", diz o pai. Isso se dá, pois a função social de um "medalhão" é a mesma do objeto que lhe dá o nome: ser um objeto de brilho, de beleza, que atraia o observador - e, com o enfoque sendo o brilho exterior, convém não ter traços de individualidade que possam afastar os observadores. "No entanto, podendo acontecer que, com a idade, venhas a ser afligido de algumas ideias próprias, urge aparelhar fortemente o espírito. As ideias são de sua natureza espontâneas e súbitas; por mais que as sofremos, elas irrompem e precipitam-se. Daí a certeza com que o vulgo, cujo faro é extremamente delicado, distingue o medalhão completo do medalhão incompleto".

Além disso, a profissão de medalhão envolve um bom uso da publicidade, de modo que seu nome seja sempre lembrado e esteja sempre na boca do povo, ainda que sem nenhum motivo digno para tal; envolve o uso constante de clichês em sua fala, ainda que desprovidos de sentido real, apenas para que impactem o ouvinte incauto que, ao ouvir uma "frase bonita", associará ao seu enunciador valor, erudição, sabedoria...; e envolve, também, um rígido regime para que, de modo algum, nasça no medalhão alguma ideia própria: "o voltarete, o dominó e o whist são remédios aprovados". E, além desses três, é aconselhado excepcionalmente o bilhar: "se te aconselho excepcionalmente o bilhar é porque as estatísticas mais escrupulosas mostram que três quartas partes dos habituados do taco partilham as opiniões do mesmo taco".

Este é um conto irônico, crítico e sagaz de Machado de Assis, rico em retratos de características que, ainda hoje, podem ser observadas naqueles que mantém a tradição dos "medalhões" no Brasil.


O conto pode ser lido aqui. Ele é disponibilizado pela plataforma machadodeassis.net, repositório online de romances e contos do autor.


...


Literatura acessível é um projeto da Odisseia Consultoria que tem como objetivo contribuir para a ampliação do alcance da literatura no Brasil, assim como a disseminação da produção literária de autores e autoras em todo o país. Para tanto, todas as sextas-feiras, a Odisseia divulga textos literários disponíveis na internet para acesso gratuito. Porque nem sempre é possível adquirir material literário por meios convencionais, mas não deveria ser necessário ter dinheiro para poder apreciar literatura. É um passo pequeno, mas é um começo. Se inscreva no nosso blog e faça parte dessa iniciativa!

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Odisseia - consultoria literária e linguística

Rua Sérgio Buarque de Holanda, 571 Campinas, SP